Processos seletivos abertos no âmbito do projeto da Quarta Comunicação Nacional do Brasil à UNFCCC

As candidaturas poderão ser realizadas até 15/09, conforme as instruções disponíveis nos links a seguir. As contratações serão na modalidade Service Contract, com duração de 6 meses com possibilidade de renovação.

Para maiores informações, acesse:

INVENTÁRIO NACIONAL: https://jobs.undp.org/cj_view_job.cfm?cur_job_id=87318

COMUNICAÇÃO DO PROJETO: https://jobs.undp.org/cj_view_job.cfm?cur_job_id=87324

Veja como as cidades se preparam para enfrentar as mudanças climáticas

 

Consequências do aquecimento global já estão presentes na vida urbana. Opções agora são de mitigar esses efeitos ou de se adaptar a eles. Veja o que grandes cidades do mundo já fazem

O verão de 2003 foi um marco na avaliação dos riscos e consequências das mudanças climáticas. Durante julho e agosto daquele ano, muitas cidades europeias sofreram com a maior onda de calor no continente desde 1540. Paris foi a metrópole mais afetada e, em toda França, cerca de 15 mil pessoas morreram; Itália, Portugal, Holanda, Alemanha e Reino Unido também registraram milhares de óbitos decorrentes das temperaturas extremas.

As ondas de calor são fenômenos climáticos que sempre existiram. O problema é que o aquecimento global está fazendo com que elas sejam mais frequentes e mais intensas. E, pior, a urbanização potencializa seus impactos: as grandes cidades tendem a ser mais quentes e apresentam menor capacidade de escoamento de grande volume de água quando chove muito em pouco tempo.

Superfícies impermeabilizadas (muito asfalto e concreto), fator antropogênico (alto fluxo de carros e pessoas), deficiência hídrica (baixa presença de água natural e de plantas) e geometria urbana com edifícios muito próximos (fator visão de céu: quanto menos eu vejo o céu, mais calor faz) são os principais agentes da formação das ilhas de calor em aglomerações urbanas.

Ou seja, para administrar ou até para reverter os impactos das mudanças climáticas, as grandes cidades precisam repensar sua organização. Hoje, os investimentos estão voltados para duas estratégias: a mitigação das consequências nocivas do aquecimento global e a adaptação da infraestrutura a essas mudanças.

Leia completo em Blue Vision

Balanços da “Bonn Climate Change Conference”

Bonn, Alemanha, 27/06/2019.

A sessão anual de meio de ano da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima foi realizada em Bonn, Alemanha, de 17 a 27 de junho de 2019. As notícias, em sua maior parte foram ruins, pois além do mundo em geral não estar agindo para combater as emissões de carbono, alguns países estão retrocedendo em suas políticas sobre o tema.

Ao mesmo tempo, os cenários de mudanças climáticas para o futuro estão se tornando evidentes no presente. Um exemplo, é o degelo na Groelândia, que era esperado que só começasse a derreter em 2090 e já está derretendo em ritmo sem precedentes.

O recente Relatório Especial do IPCC (IPCC SR1.5) afirmou que, para estabilizar o aquecimento global em 1,5 ºC, as emissões globais devem ser reduzidas pela metade até 2030, e as emissões líquidas deverão ser zero em 2050. Parece impossível dada a lentidão no processo de negociação, como também pela ausência de ações por parte dos países.

Se as emissões não forem reduzidas até 2020 o suficiente para manter o aquecimento global em 1,5 °C, conforme estabelecido no Acordo de Paris, serão grandes as chances de caminharmos para uma crise climática irreversível e profunda com impactos na vida das populações, em especial as mais vulneráveis. Para que o Acordo de Paris seja alcançado, é preciso que avanços significativos sejam realizados nas negociações, e que estes levem a compromissos ambiciosos. Contudo, nas últimas negociações foram muito poucos os avanços. Pelo contrário, ultrapassamos a concentração de carbono de 415 ppm na atmosfera e continuamos a caminhar em passos lentos em termos de medidas para conter o aquecimento global.

planetaria boon 01

O Acordo de Paris oferece às Partes (países signatários) a oportunidade de cooperar umas com as outras na implementação de suas NDCs (Contribuições Determinadas Nacionalmente). Os mecanismos de cooperação destinados a apoiar este processo não só devem facilitar a consecução dos objetivos de redução existentes, mas também aumentar a ambição nos esforços futuros.

Pontos chave:

 As ações dos Países no âmbito das NDCs 

As Ações ou Contribuições Determinadas Nacionalmente pelos países (NDCs, em inglês) está no cerne do Acordo de Paris. Na COP24, em Katowice, as partes discutiram muitos tópicos relacionados à estrutura e conteúdo das NDCs e alcançaram acordo sobre alguns itens, como a informação necessária para maior clareza, transparência e compreensão.

Para a reunião de Bonn era esperada uma atualização das Contribuições Nacionalmente Determinadas até 2020, de acordo com a meta de estabilizar a temperatura média do planeta em 1,5°C. As Partes devem seguir esta oportunidade para apoiar este esforço, incluindo a mobilização de financiamento e outros meios de apoio, e as ações imediatas de curto prazo, como exemplo, os planos nacionais sobre clima, as NDCs, as metas e legislação em nível nacional. 

No entanto, há uma lacuna sobre qual será a periodicidade das NDCs. As Partes concordaram em aplicar prazos comuns para as NDCs a serem implementadas a partir de 2031. Contudo, a questão pendente mais importante é a duração dos prazos. Espera-se uma decisão importante sobre esse tópico na COP25, em Santiago.

• Artigo 6 do Acordo de Paris

Existe uma especulação para que a Pré-COP a ser realizada na Costa Rica ofereça uma boa base para uma decisão sobre regras robustas em Santiago na COP25.

Com relação aos créditos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, é preciso adotar salvaguardas sociais e ambientais, evitar a dupla contagem (ponto extremamente crítico) e incluir ajustes correspondentes para todas as transferências.

Os mecanismos de cooperação consagrados no Artigo 6 do Acordo de Paris formam o arcabouço legal para permitir o uso de mecanismos de mitigação de mudanças climáticas baseados em mercado. Os mecanismos de cooperação são para promover o desenvolvimento sustentável e devem garantir a integridade ambiental, embora o foco principal seja a redução das emissões de gases de efeito estufa, outros aspectos de sustentabilidade também devem ser abordados.

O Acordo de Paris oferece três abordagens no uso de mecanismos de cooperação internacional: Direct bilateral cooperation (Art. 6.2); New sustainable development mechanism (Art. 6.4) - seria o novo MDL e Non-market-based approaches (Art. 6.8).

Quanto à integridade ambiental, significa que os mecanismos não podem ser usados para contornar os esforços ambiciosos de mitigação das mudanças climáticas nos países participantes, pois isso levaria a um esvaziamento de suas metas de redução de emissões.

A questão da integridade ambiental nas regras do Artigo 6 foi bastante debatida. De acordo com especialistas, é fundamental que as transferências de emissões previstas no artigo 6 impeçam a dupla contagem. Com isso, O artigo 6 só pode funcionar se as regras garantirem que a dupla contagem seja evitada tanto em no artigo 6.2 como no 6.4, e que os ajustes correspondentes sejam aplicados para resultados de mitigação dentro e fora do escopo da NDC de um país anfitrião. Isto deve ser aplicado independentemente de onde os créditos sejam usados - ou seja, para fins de NDC e não-NDC.

planetaria boon 02

• Financiamento

A questão do financiamento perpassa por todos os assuntos. Um ponto crítico é o Green Climate Fund (GCF) e como aportar recursos financeiros conforme acordado.

É evidente a falta de ambição por parte dos países contribuintes, onde países desenvolvidos deveriam ter mobilizado US$ 100 bilhões de maneira transparente. Desta forma, fica difícil o tema caminhar nas negociações sem um apoio previsível e sem aumento de ambição por parte dos países.

COP24 aprovou o Livro de Regras do Acordo de Paris, o Chile deve promover o avanço tão esperado

Em Katowice, o presidente da Conferência do Clima bateu o martelo, anunciando a aprovação do Livro de Regras do Acordo de Paris, que ficou com 156 páginas.

Como resultado, a definição de regras ficou aquém do que o esperado, e sem a ênfase necessária na urgência e na ambição tão almejada. Mais uma vez, foi aprovado o que foi possível, e esse “possível” pouco ajudará na solução para a crise climática.

Apesar do progresso no Livro de Regras na COP24, as Partes não conseguiram chegar a um acordo sobre as regras para o Artigo 6 (mercados de carbono e abordagens não-mercadológicas) e sobre prazos comuns para as NDCs. Esses dois temas foram adiados para serem negociados em Bonn, em junho, na SB50, onde infelizmente não obtiveram êxito. O objetivo é que as negociações sobre esses temas sejam concluídas até a COP25.

A COP25 tem como objetivo debater e negociar acerca da implementação do Acordo de Paris. De acordo com a Secretária Geral da UNFCCC, a COP25 reflete uma nova era de ambição. Ela tem solicitado aos governos que aumentem rapidamente seus níveis de ambição para combater a mudança climática.

De fato, os países ainda estão longe de cumprir seus objetivos nacionais de mitigação e adaptação, longe de cumprir os objetivos do Acordo de Paris e longe de promover uma transição para uma economia de baixo carbono, e com isso,  o paradigma para uma transformação profunda em toda a sociedade para que seja possível lidar com os impactos já evidentes e combater a mudança climática permanece algo longe de ser enfrentado.

Será que a COP25 no Chile irá entrar para a história? No créo!

 1,5 °C

“Desajuste climático acontece agora e para todos”, diz secretário da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres, reafirmou que o mundo enfrenta “uma grave emergência climática” durante a reunião sobre o clima que acontece em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Ao discursar no último domingo (30) na abertura do evento, o chefe das Nações Unidas destacou que o desajuste climático acontece agora e para todos.

Mudança

Para Guterres, esta situação avança ainda mais rapidamente do que o previsto por grandes cientistas do mundo e “supera os esforços para resolvê-la”. Ele sublinhou que “a mudança climática avança mais rápido do que nós”.

O representante declarou ainda que a cada semana ocorre uma nova devastação relacionada ao clima, tendo  mencionado inundações, secas, ondas de calor, incêndios e grandes tempestades.

O secretário-geral disse haver algum movimento para ação climática em nível mundial, que no entanto ainda não é suficiente.

A expectativa é que essa situação venha a mudar com a Cúpula de Ação Climática marcada para setembro, em Nova Iorque.

Impostos

O chefe da ONU disse que sua mensagem é que “soluções existem”. A primeira é que sejam transferidos os impostos de salários para o carbono, tributando a poluição e não às pessoas.

Leia completo em Ciclo Vivo

More Articles...

  1. France endures its hottest day ever as Europe swelters in heat wave
  2. Deadly India Heat Wave Temperature Reaches 123 Degrees in Second-Driest Pre-Monsoon Spell in 65 Years
  3. Aquecimento global pode ser catastrófico para o Brasil, alertam cientistas
  4. O PAPEL DA CIÊNCIA NAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E NA IMPLEMENTAÇÃO DOS ODS
  5. Frio intenso, calor extremo, chuvas fortes e ventanias. Em 10 anos, Rio Preto teve uma série de eventos
  6. Aberto período para submissões para candidaturas de especialistas para participar da reunião de definição do escopo do sexto relatório de síntese da avaliação do painel intergovernamental de mudança do clima (IPCC)
  7. Aberto período para inscrição para participação da primeira minuta da contribuição do Grupo de Trabalho I para o Sexto Relatório de Avaliação (AR6), do IPCC
  8. Como nosso cérebro atrapalha o combate às mudanças climáticas
  9. 12 excuses for climate inaction and how to refute them
  10. Uma concentração de CO2 nunca vista pela espécie humana.
  11. Bairro em Londres vai criar 11km de corredor de flores para abelhas
  12. It's Official: Atmospheric CO2 Just Exceeded 415 ppm For The First Time in Human History
  13. Carbon dioxide levels hit landmark at 415 ppm, highest in human history
  14. Mudanças climáticas no Rio e no mundo: a urgência de novos padrões
  15. Derretimento da Antártica já está seis vezes mais rápido do que há 40 anos
  16. O colapso da Terra está cada vez mais próximo
  17. ONU alerta contra impactos ambientais da dessalinização para fornecimento de água doce
  18. 1 milhão de espécies ameaçadas: o que diz preocupante relatório da ONU sobre impacto humano
  19. São Paulo está quente demais para maio
  20. Como a mudança climática está deixando os países ricos mais ricos, e os pobres mais pobres
  21. Permafrost collapse is accelerating carbon release
  22. Nasa instrument heads to space station to map CO2
  23. Agência norte-americana avisa comunidades para que se prepararem para a mudança do clima
  24. Parlamento britânico é o primeiro do mundo a declarar “emergência ambiental e climática”
  25. Entrevista do Mês: Eduardo Assad
  26. Cientistas discutem devastador custo da ação humana no planeta
  27. Novo ciclone atinge Moçambique seis semanas após o primeiro; ONU pede mais apoio
  28. NASA revela novas (e preocupantes) evidências do aquecimento global
  29. As chuvas extremas do Rio são a nova normalidade do clima?
  30. Temporais fazem parte de uma nova realidade, diz climatologista
  31. Motivo de caos no Rio, chuva anormal para outono é 'retrato de clima mais hostil'
  32. Humanidade consome recursos da Terra a taxas insustentáveis, alerta agência da ONU
  33. A diferença entre os impactos de um aquecimento de 1,5˚C ou 2˚C no planeta
  34. Emissões de carbono quebram o recorde em um retrocesso global devastador
  35. Demanda por energia dispara em 2018 e emissões batem recorde
  36. Situação do clima em 2018 mostrou aumento dos efeitos da mudança climática, diz relatório
  37. Reflexos do aquecimento global para a economia brasileira
  38. Falta de acesso à água afeta bilhões e provoca aumento de conflitos no mundo, diz relatório da ONU
  39. Terceiro Relatório de Atualização Bienal do Brasil
  40. Convite: Lançamento do Livro – Brasil: um futuro sustentável
  41. Artigo: A felicidade traz prosperidade
  42. Rio de Janeiro registra as temperaturas médias mais altas em 97 anos
  43. Biodiversidade é uma potência ainda subaproveitada no país.
  44. ‘Estresse térmico’ deixa pessoas mais nervosas nos dias quentes
  45. Groenlândia está derretendo mais rápido do que esperávamos e não há muito mais o que fazer
  46. Verão pode causar 'estresse térmico' no corpo
  47. Gelo da Antártica está derretendo seis vezes mais rápido do que há 40 anos, diz estudo
  48. 'A proteção do meio ambiente não pertence a nenhuma corrente política ou ideológica'
  49. Aquecimento dos oceanos ocorre em ritmo mais rápido que o esperado
  50. Verão tem temperaturas mais altas que as do ano passado; tendência é esquentar
  51. Agro holandês é POP
  52. Animais silvestres em perigo: projeto de lei libera caça no Brasil, também em unidades de conservação. E muito mais!
  53. Chuvas torrenciais e muito calor: o que determina o clima das grandes cidades?
  54. Verão de 2019 vai ser escaldante e já sabemos qual mês será o pior
  55. Ministério do Meio Ambiente oferece 8 cursos na área socioambiental
  56. Agenda do Evento de Lançamento do Relatório "Potência Ambiental da Biodiversidade: um caminho inovador para o Brasil"
  57. COP 24 aprova 'livro de regras' do Acordo de Paris
  58. Relatório encomendado pela própria UNFCCC sobre o aquecimento
  59. Secretário-geral da ONU alerta que planeta não pode se permitir fracassar na COP 24
  60. Brasil perderá se sair do acordo climático, diz ex-negociador dos EUA
  61. 1. SBPC se manifesta contra a saída do Brasil do Acordo de Paris
  62. A COP24 em Katowice terminou neste domingo, por volta das 00:30h.
  63. Artigo: Capitalismo climático Para a obtenção do lucro, é fundamental que se limite o aumento de temperatura da Terra
  64. Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas e a Fundação Grupo Boticário lançam Sumário para Tomadores de Decisão sobre biodiversidade e clima na COP24
  65. Relatório Especial “Potência Ambiental da Biodiversidade: um caminho inovador para o Brasil”
  66. 1º Fórum Brasileiro de Transição Energética
  67. Evento de Lançamento do Sumário para Tomadores de Decisão (STD) do PBMC e BPBES – Espaço Brasil na COP-24
  68. COP24 "Eles chegaram a Katowice de bicicleta"
  69. Como anda a COP14 da Biodiversidade?
  70. Moving for Climate NOW
  71. 2018 UN Biodiversity Conference
  72. Primeira chuva no Atacama em 500 anos destrói vários micróbios
  73. Temperatura do planeta poderá aumentar 3,2 graus Celsius, muito além da meta de 1,5
  74. Biodiversidade é 'galinha de ovos de ouro' desperdiçada no Brasil, mostra relatório
  75. Impacto das mudanças climáticas intensificam incêndios na Califórnia
  76. Biodiversidade não é problema, é solução
  77. BRASIL pode ser líder em desenvolvimento sustentável, dizem cientistas
  78. Aquecimento climático em São Paulo já é o dobro da meta global
  79. Não é só pelo 1,5ºC
  80. Chamada pública "Boas práticas de sustentabilidade A3P"
  81. Ministro divulga nota sobre fusão com o MAPA
  82. Fome: aquecimento aumenta o risco de uma nova grande crise global
  83. Populações de animais caíram 60% em 44 anos, alerta WWF
  84. Anúncio da fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente preocupa a Coalizão Brasil
  85. Remote Hawaiian Island Wiped Off The Map
  86. Dados do Inpe sugerem aceleração da área desmatada na Amazônia
  87. O que precisa ser feito em cada setor para limitar o aquecimento global em 1,5oC?
  88. 1,5°C a mais até o fim do século - otimismo possível?
  89. O Brasil e a biodiversidade
  90. Aquecimento global está acima da meta, diz IPCC
  91. Análise: Relatório do IPCC força aquecimento global sobre agenda dos candidatos a presidente
  92. ONU dá último alerta para evitar a catástrofe climática
  93. Educação ambiental abre 16 mil vagas
  94. 37 things you need to know about 1.5C global warming
  95. We have 12 years to limit climate change catastrophe, warns UN
  96. Leaked US critique of climate report sets stage for political showdown in Korea
  97. Aquecimento global pode modificar eixo de rotação da Terra, aponta estudo da Nasa.
  98. Mobilidade elétrica na cidade: Veículos Coletivos e de Carga
  99. Aquecimento eleva risco de desertificação no Nordeste
  100. DERRETIMENTO DO PERMAFROST ESGOTA O ORÇAMENTO DE CARBONO ANTES DO PREVISTO

Unicast