Demanda por energia dispara em 2018 e emissões batem recorde

Relatório da Agência Internacional de Energia confirma que economia global ainda não se descolou dos combustíveis fósseis, apesar do forte crescimento das renováveis

DO OC – A demanda global por energia subiu 2,3% em 2018, mais do que o dobro da taxa de crescimento verificada desde o início da década. Isso elevou as emissões de gás carbônico por queima de combustíveis fósseis em 1,7%, fazendo-as atingir o novo recorde histórico de 33,1 bilhões de toneladas.

Os dados foram divulgados na noite de segunda-feira (25) pela IEA (Agência Internacional de Energia e soterram de vez a esperança, acesa em 2015, de que o crescimento da economia global finalmente estivesse se descolando do crescimento do uso de carvão, petróleo e gás natural. Não está.

Os fósseis seguem dominando a matriz energética: responderam por mais de 70% do crescimento da demanda pelo segundo ano consecutivo. E isso apesar do crescimento espetacular das energias limpas, que hoje respondem por 25% da geração de eletricidade.

O comportamento das emissões em 2018 é mais um golpe nas esperanças da humanidade de cumprir o acordo do clima de Paris e limitar o aquecimento global abaixo de 2oC ou em 1,5oC. Segundo o IPCC, o painel do clima da ONU, para que a humanidade tenha chance de estabilizar as temperaturas em 1,5oC, será preciso cortar emissões em 45% nos próximos 11 anos.

Leia completo em Observatório do Clima.

Situação do clima em 2018 mostrou aumento dos efeitos da mudança climática, diz relatório

Os sinais físicos e os impactos socioeconômicos deixados pela mudança climática são cada vez maiores devido às concentrações de gases de efeito estufa sem precedentes, que provocam um aumento das temperaturas mundiais a níveis perigosos, segundo o relatório mais recente da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

A 25ª edição da Declaração da OMM sobre o estado do clima mundial, correspondente a 2018, destacou a elevação recorde do nível do mar, assim como das temperaturas terrestres e oceânicas, que ficaram excepcionalmente altas nos últimos quatro anos. Esta tendência de aquecimento começou no início do século e deve continuar.

“Desde a primeira publicação da Declaração, a climatologia alcançou um grau de robustez sem precedentes e proporcionou provas confiáveis do aumento da temperatura mundial e de circunstâncias relacionadas, como o aumento acelerado do nível do mar, a redução dos gelos marítimos, o retrocesso das geleiras e fenômenos extremos, tais como as ondas de calor”, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

Estes indicadores fundamentais da mudança climática estão se tornando mais pronunciados. Assim, os níveis de dióxido de carbono, que eram de 357,0 partes por milhão (ppm) em 1994, quando a Declaração foi publicada pela primeira vez, seguem aumentando, tendo alcançado 405,5 ppm em 2017. É previsto que em 2018 e 2019 as concentrações de gases causadores do efeito estufa aumentem ainda mais.

A Declaração da OMM sobre o clima inclui contribuições dos Serviços Meteorológicos e Hidrológicos Nacionais, de uma ampla comunidade de especialistas científicos e de órgãos das Nações Unidas. Nela, são explicados com detalhes os riscos relacionados ao clima e seus impactos à saúde e ao bem-estar das pessoas, às migrações e aos deslocamentos, à segurança alimentar, ao meio ambiente, aos ecossistemas oceânicos e terrestres. Da mesma forma, os fenômenos extremos que acontecem em todo o mundo são catalogados.

Leia completo em Nações Unidas

Reflexos do aquecimento global para a economia brasileira

Especialistas explicam como as mudanças climáticas podem trazer prejuízos na agricultura, pecuária, geração de energia e, consequentemente, ao Produto Interno Bruto

Reduzir a emissão de poluentes na atmosfera, diminuir os impactos à biodiversidade e ao clima e intensificar ações de preservação ambiental para garantir que a economia brasileira prospere nas próximas décadas. Esse é o caminho apontado por pesquisadores da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza. Sem essa preocupação estratégica, tudo indica que haverá impacto da produção agropecuária e industrial, com produtos ainda mais caros para a população. É possível, contudo, adotar medidas para que as consequências do aquecimento global não prejudiquem o setor econômico do país.

O climatologista Carlos Nobre, doutor pelo Massachusetts Institute of Technology e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, alerta que caso o Acordo de Paris, que visa frear as emissões de gases de efeito estufa no contexto do desenvolvimento sustentável, não seja cumprido, o Brasil deixaria em pouco tempo de ser a potência agrícola que é hoje.

“Se a temperatura subir entre 3°C e 4°C, o Brasil não terá mais condições de manter uma expressiva produção agrícola. Talvez apenas a Região Sul tenha alguma condição. A pecuária também vai cair muito”, afirma Nobre. O Brasil sofreria, portanto, impactos significativos na produção de alimentos e, por consequência, nas exportações.

O secretário-executivo do Observatório do Clima e membro da Rede de Especialistas, Carlos Rittl, ressalta que pode ocorrer uma mudança na geografia agrícola do país pela perda de aptidão de solos agrícolas a determinadas culturas devido às mudanças nos padrões de temperatura e pluviosidade a geográfica agrícola brasileira. “Algumas regiões terão perda de aptidão para diferentes culturas, gerando até a inviabilidade de produção. Há casos de produtores de café em Minas Gerais que já estão migrando para outros cultivos”, relata.

Leia completo em JB

Falta de acesso à água afeta bilhões e provoca aumento de conflitos no mundo, diz relatório da ONU

Em 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu o acesso à água e ao saneamento básico como um direito universal. Desde então, os países membros precisam trabalhar para que as pessoas tenham acesso a estes direitos até 2030. A meta, no entanto, parece distante.

Em relatório divulgado nesta segunda-feira (18), a ONU aponta que mais de dois bilhões de pessoas não têm acesso à água potável e mais de quatro bilhões não tem acesso à esgoto sanitário. Além disso, a demanda por água seguirá crescendo e pode afetar a produção de alimentos e gerar conflitos.

“Os números falam por si. Como mostra o relatório, se a degradação do ambiente natural e a pressão insustentável sobre os recursos hídricos globais continuarem em ritmo atual, 45% do Produto Interno Bruto global e 40% da produção global de grãos estarão em risco até 2050. Populações pobres e marginalizadas serão afetadas de forma desproporcional, agravando ainda mais as desigualdades”, disse Gilbert F. Houngbo, Presidente da ONU-Água e Presidente do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola.

A agricultura (incluindo irrigação, pecuária e aquicultura) é a maior consumidora de água globalmente, respondendo por 69% da retirada anual de água em todo o mundo. A indústria (incluindo a geração de energia) responde por 19% e as residências particulares por 12%.

Estimativas recentes mostram que 31 países experimentam estresse hídrico entre 25% e 70%. Outros 22 países estão acima do nível de 70% e, por isso, encontram-se em uma situação grave de estresse hídrico. Ou seja, estão fazendo uso substancial de recursos hídricos, com maiores impactos sobre a sustentabilidade desses recursos e um crescente potencial de conflito entre os seus usuários.

Leia completo em G1

Mais itens...

  1. Terceiro Relatório de Atualização Bienal do Brasil
  2. Convite: Lançamento do Livro – Brasil: um futuro sustentável
  3. Artigo: A felicidade traz prosperidade
  4. Rio de Janeiro registra as temperaturas médias mais altas em 97 anos
  5. Biodiversidade é uma potência ainda subaproveitada no país.
  6. ‘Estresse térmico’ deixa pessoas mais nervosas nos dias quentes
  7. Groenlândia está derretendo mais rápido do que esperávamos e não há muito mais o que fazer
  8. Verão pode causar 'estresse térmico' no corpo
  9. Ministra da Agricultura ironiza Gisele e diz querer modelo como embaixadora.
  10. Gelo da Antártica está derretendo seis vezes mais rápido do que há 40 anos, diz estudo
  11. 'A proteção do meio ambiente não pertence a nenhuma corrente política ou ideológica'
  12. Aquecimento dos oceanos ocorre em ritmo mais rápido que o esperado
  13. A Amazônia se aproxima do ponto de ruptura, diz Carlos Nobre
  14. Verão tem temperaturas mais altas que as do ano passado; tendência é esquentar
  15. Agro holandês é POP
  16. Animais silvestres em perigo: projeto de lei libera caça no Brasil, também em unidades de conservação. E muito mais!
  17. Chuvas torrenciais e muito calor: o que determina o clima das grandes cidades?
  18. Verão de 2019 vai ser escaldante e já sabemos qual mês será o pior
  19. In Climate Change Fight, Brazil Owes Nothing, Minister Says
  20. Governo acaba com secretaria dedicada a mudanças climáticas e gera temor entre cientistas
  21. Ministério do Meio Ambiente oferece 8 cursos na área socioambiental
  22. Agenda do Evento de Lançamento do Relatório "Potência Ambiental da Biodiversidade: um caminho inovador para o Brasil"
  23. COP 24 aprova 'livro de regras' do Acordo de Paris
  24. Relatório encomendado pela própria UNFCCC sobre o aquecimento
  25. Ministros chegam para completar livro de regras de Paris (e, quem sabe, salvar o IPCC)
  26. Secretário-geral da ONU alerta que planeta não pode se permitir fracassar na COP 24
  27. Brasil perderá se sair do acordo climático, diz ex-negociador dos EUA
  28. 1. SBPC se manifesta contra a saída do Brasil do Acordo de Paris
  29. A COP24 em Katowice terminou neste domingo, por volta das 00:30h.
  30. Artigo: Capitalismo climático Para a obtenção do lucro, é fundamental que se limite o aumento de temperatura da Terra
  31. Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas e a Fundação Grupo Boticário lançam Sumário para Tomadores de Decisão sobre biodiversidade e clima na COP24
  32. Relatório Especial “Potência Ambiental da Biodiversidade: um caminho inovador para o Brasil”
  33. 1º Fórum Brasileiro de Transição Energética
  34. Evento de Lançamento do Sumário para Tomadores de Decisão (STD) do PBMC e BPBES – Espaço Brasil na COP-24
  35. “Bolsonaro cree que el cambio climático es una cosa de activistas que gritan”
  36. COP24 "Eles chegaram a Katowice de bicicleta"
  37. Como anda a COP14 da Biodiversidade?
  38. Moving for Climate NOW
  39. 2018 UN Biodiversity Conference
  40. Primeira chuva no Atacama em 500 anos destrói vários micróbios
  41. Novo ministro de Relações Exteriores do Brasil acredita que as mudanças climáticas são “conspiração marxista”
  42. Temperatura do planeta poderá aumentar 3,2 graus Celsius, muito além da meta de 1,5
  43. Biodiversidade é 'galinha de ovos de ouro' desperdiçada no Brasil, mostra relatório
  44. Impacto das mudanças climáticas intensificam incêndios na Califórnia
  45. Biodiversidade não é problema, é solução
  46. BRASIL pode ser líder em desenvolvimento sustentável, dizem cientistas
  47. Amazônia está próxima de atingir percentual irreversível de desmatamento
  48. Aquecimento climático em São Paulo já é o dobro da meta global
  49. Não é só pelo 1,5ºC
  50. Chamada pública "Boas práticas de sustentabilidade A3P"
  51. Ministro divulga nota sobre fusão com o MAPA
  52. Fome: aquecimento aumenta o risco de uma nova grande crise global
  53. Populações de animais caíram 60% em 44 anos, alerta WWF
  54. Anúncio da fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente preocupa a Coalizão Brasil
  55. Remote Hawaiian Island Wiped Off The Map
  56. Dados do Inpe sugerem aceleração da área desmatada na Amazônia
  57. O que precisa ser feito em cada setor para limitar o aquecimento global em 1,5oC?
  58. Cientista alerta que aumentar a área da agropecuária e destruir florestas causará prejuízos à economia
  59. 1,5°C a mais até o fim do século - otimismo possível?
  60. O Brasil e a biodiversidade
  61. Aquecimento global está acima da meta, diz IPCC
  62. Análise: Relatório do IPCC força aquecimento global sobre agenda dos candidatos a presidente
  63. ONU dá último alerta para evitar a catástrofe climática
  64. Educação ambiental abre 16 mil vagas
  65. 37 things you need to know about 1.5C global warming
  66. We have 12 years to limit climate change catastrophe, warns UN
  67. Leaked US critique of climate report sets stage for political showdown in Korea
  68. Aquecimento global pode modificar eixo de rotação da Terra, aponta estudo da Nasa.
  69. Mobilidade elétrica na cidade: Veículos Coletivos e de Carga
  70. Aquecimento eleva risco de desertificação no Nordeste
  71. DERRETIMENTO DO PERMAFROST ESGOTA O ORÇAMENTO DE CARBONO ANTES DO PREVISTO
  72. Ações para reduzir emissões na agricultura ainda não são suficientes Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://www.valor.com.br/agro/5852317/acoes-para-reduzir-emissoes-na-agricultura-ainda-nao-sao-suficientes o
  73. IV ENPJA ocorre em setembro
  74. Abordagens metodológicas para análise de Vulnerabilidades à Mudanças Climáticas
  75. A Cidade Universitária e o Consumo de Energia - Hoje
  76. Marcha pelo clima reúne mais de 30 mil pessoas nos EUA.
  77. Mobilização global ‘Una-se pelo clima’ realiza ações em mais de 90 países
  78. Navio bate em ponte e aeroporto fica isolado na passagem do Tufão Jebi no Japão
  79. NASA Discovers Bubbling Lakes In The Remote Arctic - A Sign Of Global Warming
  80. Elevação das concentrações de carbono na atmosfera ameaça a nutrição humana
  81. O aquecimento global já é realidade. E agora?
  82. Merkel diz ser contra novas metas de redução de emissão de gases na Europa
  83. XIII UFRJ AMBIENTÁVEL - Semana Acadêmica da Engenharia Ambiental
  84. A Professora e cientista Suzana Kahn participou do evento "Foco nos setores de Energia Elétrica e Petróleo e Gás", promovido pela Siemens.
  85. A Cidade Universitária e o Consumo de Energia
  86. Kofi Annan, Who Redefined the U.N., Dies at 80
  87. NASA releases time-lapse of the disappearing Arctic polar ice cap
  88. Árvores revelam evolução da poluição ambiental em São Paulo
  89. Presidente eleito terá de retomar trilha da responsabilidade climática e enfrentar retrocesso
  90. Heat: the next big inequality issue
  91. Mudança climática está matando os cedros do Líbano
  92. Céticos do clima devem pedido de desculpas a quem acreditou neles
  93. Uma fornalha chamada Terra
  94. Coletivo urbano está à beira do colapso
  95. Darwinismo tecnológico
  96. O que é o fenômeno 'Terra estufa' e por que estamos caminhando para ele, segundo novo estudo
  97. Vento pode ser segunda principal fonte de energia elétrica do país em 2019
  98. Mudanças climáticas poderão extinguir 10% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica
  99. O aquecimento global está ganhando
  100. Capitalism Killed Our Climate Momentum, Not “Human Nature”

Unicast