Cientista alerta que aumentar a área da agropecuária e destruir florestas causará prejuízos à economia

Enfraquecer a conservação do meio ambiente prejudicará a economia e as ambições de política internacional do Brasil, alerta o climatologista Carlos Nobre . Nos últimos meses, a campanha eleitoral trouxe à tona assuntos polêmicos como a saída do Brasil do Acordo de Paris (o tratado mundial do clima), a forma de atuação dos fiscais do Ibama no combate aos desmatadores e os prazos para o licenciamento ambiental. Outro tema controverso, levantado pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL) , é a fusão do Ministério do Meio Ambiente com o da Agricultura. Para Nobre, membro das academias de Ciências do Brasil e dos Estados Unidos, ex-diretor da Capes e do Inpe e um dos mais renomados especialistas em mudanças climáticas do mundo, a condução desses temas de forma errada pode impactar negativamente a economia brasileira.

Leia mais em O GLOBO.

1,5°C a mais até o fim do século - otimismo possível?

Nesta segunda-feira, 08 de outubro, foi divulgado o novo relatório especial do Painel Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC) – “Aquecimento Global a 1,5°C” –, cujos cenários antecipam as consequências que o mundo enfrentará caso não consigamos limitar o aumento da temperatura média global a 1,50C. 

Considerando o que nos informa a ciência climática e usando o princípio da precaução estabelecido na Convenção do Clima das Nações Unidas (COP), teremos que reduzir significativamente nossas emissões de gases de efeito estufa (GEE) até meados do século. Já estamos em limites perigosos do aumento de temperatura observado desde a época da Revolução Industrial.  O relatório recentemente lançado fornece números que justificam o aumento da ambição dos compromissos assumidos pelos países signatários do Acordo de Paris. 

Previsto se tornar operacional em 2020 – com a primeira revisão dos compromissos nacionais cinco anos depois – o Acordo de Paris foi aprovado na COP21 em 2015. O documento contempla o esforço para não ultrapassarmos o limite de 1,50C de aumento de temperatura em 2100. Este é um limite seguro – mas a probabilidade de o atingirmos é baixíssima.  

Já atingimos o aumento de 10C de temperatura em relação ao período pré-industrial, e nada indica que vamos conseguir desacelerar o nível de emissões de gases de efeito estufa na velocidade necessária para atingirmos a meta de 1,50C até o final do século. 

É fato que houve aumento da geração de energia renovável. Desde 2008, o aumento foi de 18% no âmbito dos países do G20, que representam 75% das emissões em termos mundiais.  Porém, esses mesmos países continuam mantendo os subsídios a combustíveis fósseis, dificultando a maior penetração das fontes de energia renovável. Todos esses elementos indicam que vamos ultrapassar o limite seguro de aumento de temperatura. Então, qual a razão para avaliarmos os cenários de 1,50C? 

Uma das razões é de que um maior entendimento do que poderá acontecer, caso a temperatura do planeta supere os 1,50C, ajudará a guiar políticas e inciativas para minimizar os danos inevitáveis. Também será útil no estabelecimento do melhor equilíbrio entre as opções de mitigação e adaptação. Outro aspecto relevante será o de direcionar pesquisas sobre os impactos que ocorrerão acima desse aumento de temperatura, seja na biodiversidade ou nas populações ou ainda na economia mundial. 

Há também a hipótese – otimista – de ainda ser possível se atingir esta ambiciosa meta. A modelagem climática se sofistica continuamente, oferecendo níveis cada vez maiores de segurança nas projeções. Apesar disso, é importante lembrar que, por vezes, se negligencia um maior entendimento dos caminhos que nos levam a um determinado padrão de emissão de gases de efeito estufa, comprometendo os resultados que os modelos entregam. 

Os cenários futuros de emissões de carbono – usados para os cálculos tanto das concentrações de gases ao longo do século como para avaliar o potencial de redução de emissões nacionais no médio e longo prazo – tendem a projetar um futuro similar ao que se tem no presente. Considera-se alguns ajustes de melhorias de eficiência, assim como introdução e/ou aumento de participação de algumas tecnologias já conhecidas no mercado. Não se leva em conta as rupturas tecnológicas e diferentes padrões de consumo, que poderão alterar profundamente a projeção das emissões de carbono. A avaliação de tecnologias e práticas de baixo carbono que possam promover esta ruptura e suas consequências é uma lacuna no nosso conhecimento do tema. 

Esta lacuna evidencia a importância de se mapear as possíveis áreas onde rupturas tecnológicas ou de comportamento poderão ocorrer alterando os cenários de gases estufa. Setores como a indústria, transporte e geração, transmissão, armazenagem e uso de energia elétrica renovável têm condições de apresentar mudanças radicais. A sociedade também pode alterar seu padrão de consumo, sobretudo no que se refere a dieta alimentar. Assim, somamos às incertezas climáticas as incertezas de nossas emissões. Quem sabe se a resultante dessas incertezas será o aumento de apenas 1,50C?  
Seja com um olhar otimista ou realista, o recente relatório especial do IPCC reforça a importância da ciência, tecnologia e inovação como ferramenta essencial na construção de um caminho de baixo carbono. 

Artigo Originalmente postado em Museum do Amanha

O Brasil e a biodiversidade

O Brasil e a biodiversidadeNo Fim do ano ocorrerão duas conferências internacionais, nas quais o Brasil usualmente tem protagonizado: a 14ª Conferência das Partes (COP) de Biodiversidade e a 24ª Conferência das Partes (COP) sobre mudanças climáticas. Apesar de os temas serem correlatos, pouca sinergia existe entre as COPs, e raramente o que nelas se discute é incorporado em nossa agenda econômica.

O Brasil, no entanto, é o País que mais teria a ganhar, no médio e longo prazos, caso atentasse para suas potencialidades de país mais megadiverso do mundo, abrigando seis diferentes biomas (Amazônia, Pantanal, Cerrado, Pampa, Mata Atlântica e Caatinga) e nível de emissão de gases de efeito estufa per capital ainda baixos, com várias alternativas de energia renovável.

Leia mais em O Globo.

Aquecimento global está acima da meta, diz IPCC

O mundo está a caminho de estourar as metas do Acordo de Paris, com o aquecimento do planeta podendo chegar a 3°C no fim deste século, e isso pode ser devastador para alguns ecossistemas, enquanto que a consequente a elevação do nível do mar poderá inundar muitas grandes cidades e alguns países inteiros, alerta o mais recente o relatório das Nações Unidas.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), das Nações Unidas, composto por 91 cientistas e que se reuniu na semana passada em Incheon, na Coreia do Sul, concluiu que a Terra está 1°C mais quente desde o período pré-industrial e provavelmente vai esquentar mais 2°C na virada deste século, se não houver mudanças nas políticas atuais.

O relatório do IPCC é visto como o principal guia científico para os formuladores de políticas dos governos sobre como implementar o Acordo de Paris de 2015 - que tem como objetivo limitar a elevação da temperatura média global a "bem abaixo" de 2°C acima dos níveis pré-industriais, enquanto tenta reduzir a meta para 1,5°C.

Leia mais em Valor

Mais itens...

  1. Análise: Relatório do IPCC força aquecimento global sobre agenda dos candidatos a presidente
  2. ONU dá último alerta para evitar a catástrofe climática
  3. Educação ambiental abre 16 mil vagas
  4. 37 things you need to know about 1.5C global warming
  5. We have 12 years to limit climate change catastrophe, warns UN
  6. Leaked US critique of climate report sets stage for political showdown in Korea
  7. Aquecimento global pode modificar eixo de rotação da Terra, aponta estudo da Nasa.
  8. Mobilidade elétrica na cidade: Veículos Coletivos e de Carga
  9. Aquecimento eleva risco de desertificação no Nordeste
  10. DERRETIMENTO DO PERMAFROST ESGOTA O ORÇAMENTO DE CARBONO ANTES DO PREVISTO
  11. Ações para reduzir emissões na agricultura ainda não são suficientes Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://www.valor.com.br/agro/5852317/acoes-para-reduzir-emissoes-na-agricultura-ainda-nao-sao-suficientes o
  12. IV ENPJA ocorre em setembro
  13. Abordagens metodológicas para análise de Vulnerabilidades à Mudanças Climáticas
  14. A Cidade Universitária e o Consumo de Energia - Hoje
  15. Marcha pelo clima reúne mais de 30 mil pessoas nos EUA.
  16. Mobilização global ‘Una-se pelo clima’ realiza ações em mais de 90 países
  17. Navio bate em ponte e aeroporto fica isolado na passagem do Tufão Jebi no Japão
  18. NASA Discovers Bubbling Lakes In The Remote Arctic - A Sign Of Global Warming
  19. Elevação das concentrações de carbono na atmosfera ameaça a nutrição humana
  20. O aquecimento global já é realidade. E agora?
  21. Merkel diz ser contra novas metas de redução de emissão de gases na Europa
  22. XIII UFRJ AMBIENTÁVEL - Semana Acadêmica da Engenharia Ambiental
  23. A Professora e cientista Suzana Kahn participou do evento "Foco nos setores de Energia Elétrica e Petróleo e Gás", promovido pela Siemens.
  24. A Cidade Universitária e o Consumo de Energia
  25. Kofi Annan, Who Redefined the U.N., Dies at 80
  26. NASA releases time-lapse of the disappearing Arctic polar ice cap
  27. Árvores revelam evolução da poluição ambiental em São Paulo
  28. Presidente eleito terá de retomar trilha da responsabilidade climática e enfrentar retrocesso
  29. Heat: the next big inequality issue
  30. Mudança climática está matando os cedros do Líbano
  31. Céticos do clima devem pedido de desculpas a quem acreditou neles
  32. Uma fornalha chamada Terra
  33. Coletivo urbano está à beira do colapso
  34. Darwinismo tecnológico
  35. O que é o fenômeno 'Terra estufa' e por que estamos caminhando para ele, segundo novo estudo
  36. Vento pode ser segunda principal fonte de energia elétrica do país em 2019
  37. Mudanças climáticas poderão extinguir 10% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica
  38. O aquecimento global está ganhando
  39. Capitalism Killed Our Climate Momentum, Not “Human Nature”
  40. Eólicas serão 2.ª fonte de energia do País em 2019
  41. Climate Change Needs Behavior Change
  42. Com orçamento ameaçado, Conselho Superior da Capes lista as consequências para 2019
  43. Europa pode não ter saída, a não ser se adaptar ao calor
  44. A partir de 1º de agosto a Humanidade entra em déficit ambiental com o planeta
  45. O que é a canícula e como ela explica a onda de calor extremo em várias partes do mundo
  46. Grupo vai pressionar presidenciáveis por ações contra efeito estufa
  47. Ocean acidification to hit levels not seen in 14 million years
  48. 40 graus na Sibéria e 30 graus na Noruega: onda de calor quase planetária surpreende especialistas
  49. Amazônia em Foco: A Floresta de hoje e do amanha
  50. Lançamento do cenário Shell Sky Alcançando as metas do Acordo de Paris
  51. Impulsionando o potencial do Brasil na transição energética
  52. MCTIC busca profissionais para estudos de Impactos, Vulnerabilidade e Adaptação às Mudanças Climáticas
  53. Renomado congresso brasileiro, IX CBUC tem data confirmada
  54. IPCC informa primeira minuta do Relatório Especial sobre Mudança do Clima e terra
  55. Que Futuro Queremos?
  56. O Espaço da Mobilidade como Projeto
  57. enováveis sobem na matriz global (mas não fazem nem cócegas nos fósseis)
  58. Como serão as cidades do futuro sem carros?
  59. 123PrevNext Aposta na Bioeconomia
  60. Semana do Meio Ambiente 2018 - UFSC
  61. Convite PLVB
  62. COMO A MUDANÇA DO CLIMA IMPACTA A SEGURANÇA NACIONAL E GLOBAL?
  63. Chega de Agrotóxicos
  64. Meio milhão de pessoas devem deixar a ilha devastada pelo furacão Maria
  65. Contribuição humana para as mudanças climáticas é inegável, avaliam cientistas
  66. Mudanças climáticas: O que estamos fazendo com o clima de nosso planeta?
  67. Teste de ambição para o Acordo de Paris
  68. Órbita da Terra já acumula 7,5 mil toneladas de sucata
  69. Defenda os Corais
  70. To lead on climate, countries must commit to zero emissions
  71. Aprovado na comissão do meio ambiente
  72. David Buckel, prominent New York LGBT lawyer, dies after setting himself on fire
  73. Adapta Clima - Somos Parceiro desta Iniciativa
  74. North Atlantic circulation slows down
  75. Cidade de Santos é escolhida para piloto sobre extremos climáticos
  76. Atenção, afivele o cinto: seus voos vão ficar cada vez mais turbulentos
  77. Más novas pioram clima no planeta
  78. País avalia vulnerabilidade climática
  79. Methane production as key to the greenhouse gas budget of thawing permafrost
  80. O impacto destruidor do aquecimento global no Alasca
  81. A conscientização sobre as mudanças climáticas deve culminar em adoção de medidas
  82. O Estado Global da Biodiversidade e dos Serviços Ecossistêmicos
  83. Biodiversity and nature's contributions continue dangerous decline, scientists warn
  84. Nasa cria sistema capaz de prever deslizamentos de terra em todo o mundo
  85. Brasil é 19º em ranking global de mudanças climáticas: no que o país erra e acerta?
  86. Como o deserto do Saara participa do regime de chuvas da Amazônia, a 5 mil km de distância
  87. Onu estima mais da metade da população Mundial vivendo em crise Hídrica até 2050
  88. O elevado 'custo agrícola' dos desastres naturais e das guerras .
  89. ONU estima 5 bilhões vivendo em risco de escassez hídrica até 2050
  90. IPCC, 30: o que dizem os cientistas
  91. IPCC chega aos 30 preocupado com verba e desinformação
  92. The temperature of the ocean is rising
  93. Mudanças climáticas podem levar 48% das espécies ao risco de extinção
  94. Mulheres em um mundo em aquecimento: como a desigualdade de gênero se faz sentir sob à ótica das mudanças climáticas.
  95. A Amazônia não está longe de virar savana
  96. Startup prevê efeitos do aquecimento global
  97. Recently Released Documents
  98. Webinar sobre Iniciativas de Adaptação no Brasil acontece na próxima sexta, 2 de março
  99. Reunião do Projeto Relatório especial sobre clima e biodiversidade.
  100. We’re witnessing the fastest decline in Arctic sea ice in at least 1,500 years

Unicast