Agro holandês é POP

O novo chanceler brasileiro tem declarado seu apoio ao agronegócio, que segue, em sua quase totalidade, modelo de exportação de produtos primários sem agregação de valor. Apesar de integrar um governo que é simpático a certa forma de “nacionalismo”, negligencia a possibilidade de um modelo tropical e sustentável de bioindustrialização, esse sim, eminentemente nacional.

A reprimarização da economia nacional, cada vez mais pautada na exportação de commodities agrícolas e minerais, está associada à gradual desindustrialização do Brasil. O momento é de mudar esse curso e, como não existe um modelo de desenvolvimento tropical a ser copiado, teremos que criar o nosso próprio. Há pouco mais de uma década, o embaixador Ricupero argumentava que o Brasil deveria buscar tornar-se uma potência ambiental por conta de suas características tropicais de abundância de água, sol e clima favorável. Somando a isso a rica biodiversidade nacional, temos o substrato para o que chamamos de “bioindustrialização sustentável”.

Ciência, inovação e empreendedorismo serão palavras-chaves nesse processo, como bem indicam dois exemplos: 1) as espécies exóticas eucalipto e pinus ocupam 98% das plantações de uso econômico no Brasil, apesar de o país contar com 16 mil espécies arbóreas nativas conhecidas em seu território; 2) mais de 400 espécies nativas brasileiras são hoje utilizadas em sistemas agroflorestais, mas na mesa do brasileiro ainda predomina no máximo uma dezena de espécies, em geral exóticas, e com cultivo baseado em agrotóxicos. Além disso, nesse que é o século do conhecimento, uma maior compreensão de nossa biodiversidade tem valor incalculável. A Quarta Revolução Industrial em curso, em velocidade sem precedentes, integra as tecnologias digitais, biológicas e físicas, no rol das biotecnologias, nanotecnologias e automação, e deverá ser elemento central para a obtenção de valor social e econômico para um novo modelo de uso sustentável da biodiversidade tropical. O desenvolvimento da produção rural e florestal brasileira deveria protagonizar e se beneficiar da emergência das tecnologias dessa nova revolução industrial e ingressar na era da bioindustrialização sustentável.

Leia Completo em O GLOBO.

Animais silvestres em perigo: projeto de lei libera caça no Brasil, também em unidades de conservação. E muito mais!

Como se não bastasse o PL do Veneno pra nos assombrar – ele ainda tramita no Congresso e aguarda data para votação no Plenário -, ainda há outros que também visam apenas interesses de deputados ruralistas (sempre eles!!) e empresários  inescrupulosos, em detrimento dos brasileiros e da natureza. Um deles é o PL 6268/2016 – projeto de lei de autoria do deputado Valdir Colatto (MDB-SC) -, que propõe alterações na Política Nacional de Fauna. O texto, na íntegra, está neste link.

Entre as propostas deste senhor, estão: permitir o abate de animais silvestres em todo território nacional, inclusive em Unidades de Conservação (UCs) e a criação de campos de caça esportiva e comercial (!!), o que pode provocar a extinção de espécies, como já aconteceu em países da África e da América do Norte. Mas ele não para por aí: ao mesmo tempo que quer proibir o porte de armas por fiscais ambientais, propõe flexibilizar sua posse por proprietários de áreas rurais.

Em resumo, esse PL não só representa riscos inimagináveis ao meio ambiente como também às pessoas e deve ser combatido de forma veemente. E é isso que vêm fazendo organizações, pesquisadores, deputados defensores dos animais e outros representantes da sociedade civil.

Na semana passada, 3/7, em encontro realizado pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados (Cmads) – sim, a mesma que aprovou, a portas fechadas (sem ouvir a sociedade e instituições científicas) -, representantes do WWF-Brasil (ONG que acompanhou tudo e publicou os detalhes em seu site), do IbamaICMBio, de universidades, além de deputados contrários ao projeto, debateram-no com o autor e seus defensores.

Lá, Rafael Giovanelli, advogado do WWF-Brasil, resumiu bem porque esse PL não pode ser aprovado: “Há uma série de critérios para se saber se um projeto pode se tornar uma boa lei. Um deles é a representatividade. Outro é a constitucionalidade. Esse projeto não representa o desejo da população, que já se manifestou, inclusive em pesquisa realizada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), amplamente contrária à caça. Tampouco está de acordo com a Constituição Federal, que, em seu Artigo 225, estabelece que incumbe ao poder público proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade”.

Mas o autor do projeto deixou claro, durante a sessão, que não se importa em ouvir a sociedade, ressaltando que a bancada ruralista é maioria na Comissão e o PL vai ser aprovado. É assim que esses deputados seguem propondo e aprovando leis no país: sem ouvir a sociedade que os elegeu.

As argumentações são muito variadas, mas não faltam provas de que o PL é um absurdo. E muita gente interessante e bem preparada contra.

O pesquisador Rômulo Ribon, da Universidade Federal de Viçosa, por exemplo, defendeu o PL por considerar que a proibição da caça impede que proprietários tenham mais alternativas econômicas, além de destruir oportunidades de emprego, prejudicando a economia. Mas falou sem usar nenhum estudo científico como base. Por outro lado, com base em pesquisas, Michel Santos, coordenador de Políticas Públicas do WWF, rebateu essa ideia dizendo que existem muitas alternativas econômicas sustentáveis e que não é preciso caçar animas silvestres. Basta promover turismo de observação. Pois é… só não vê quem não quer.

Rogério Cunha de Paula, coordenador de Programas do ICMBio, complementou esse raciocínio ao salientar que a caça não ajuda a diminuir a pobreza, como provam as comunidades pobres da África, “porque o dinheiro nunca chega a elas”. E ainda lembrou que, em geral, o caçador mata o animal que está disponível e não aquele que está autorizado. “Nas reservas de caça na África, as pessoas vão para caçar elefantes e caçam rinocerontes”.

Leia completo em Conexão Planeta

Chuvas torrenciais e muito calor: o que determina o clima das grandes cidades?

Mais quente, mais seco e menos previsível. Assim são as metrópoles brasileiras se comparadas com o seu clima original - mas não é só aqui que isto acontece. É regra entre as maiores concentrações urbanas do mundo: todas as grandes cidades têm seu clima desregulado. Isto é resultado, sobretudo, da substituição de vegetação nativa por concreto e asfalto.

Grandes cidades são ilhas de calor

Não importa em qual região do Brasil você viva, se você mora em algum aglomerado urbano está passando mais calor do que deveria. As metrópoles brasileiras estão todas entre 4 e 5 graus Celsius acima da temperatura natural de seu bioma, informa Andrea Souza Santos, pesquisadora pelo COPPE/UFRJ e Secretária Executiva do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

Concreto: o maior vilão

O principal vilão do aquecimento urbano já está identificado: é o concreto. “O cimento [base do concreto] é um problema desde sua produção, que emite muitos gases que aumentam o efeito estufa. Pela sua composição, é também um material que absorve bastante o calor e mantém o microclima mais quente”, explica Andrea Santos.

Além do concreto, o asfalto e o alto consumo de energia também estão na lista negra do impacto climático das grandes cidades. O consumo de energia, sobretudo quando utilizada no transporte urbano, produz muito calor com a emissão de gases na atmosfera.

Leia completo em VIX.

Verão de 2019 vai ser escaldante e já sabemos qual mês será o pior

Muita gente tem sofrido um bocado ao colocar a cara na rua por causa do calor.

Oficialmente, a estação começou em 21 de dezembro, às 20h23, no horário brasileiro de verão. E, de acordo com informações do Climatempo, o calor vai ser de rachar especificamente em um mês: fevereiro. E o culpado é o fenômeno El Niño.

Sim, prepare a sombrinha (tal qual nossas avós usam) e se hidrate bastante: o "segundo sol", que a cantora Cássia Eller tanto anunciava, aparentemente está chegando.

A previsão é que o verão 2019 se resuma a duas palavrinhas: calor e chuva. Até aí, boa parte dos brasileiros já está acostumada, certo?

Acontece que, de acordo com a meteorologista Josélia Pegorim, do Climatempo, em fevereiro o cenário vai mudar. É que os efeitos do El Niño serão sentidos de forma mais intensa em todo o país nesse mês.

"O maior impacto do El Niño no verão 2019 será durante o mês de fevereiro, que terá aumento do calor e redução da chuva. Em março a chuva retorna, mas ainda com influência do El Niño", explica a especialista.

Isso quer dizer que, além de a temperatura aumentar, ficaremos sem aquela chuvinha de final de tarde para refrescar.

Leia Completo em VIX.

Mais itens...

  1. In Climate Change Fight, Brazil Owes Nothing, Minister Says
  2. Governo acaba com secretaria dedicada a mudanças climáticas e gera temor entre cientistas
  3. Ministério do Meio Ambiente oferece 8 cursos na área socioambiental
  4. Agenda do Evento de Lançamento do Relatório "Potência Ambiental da Biodiversidade: um caminho inovador para o Brasil"
  5. COP 24 aprova 'livro de regras' do Acordo de Paris
  6. Relatório encomendado pela própria UNFCCC sobre o aquecimento
  7. Ministros chegam para completar livro de regras de Paris (e, quem sabe, salvar o IPCC)
  8. Secretário-geral da ONU alerta que planeta não pode se permitir fracassar na COP 24
  9. Brasil perderá se sair do acordo climático, diz ex-negociador dos EUA
  10. 1. SBPC se manifesta contra a saída do Brasil do Acordo de Paris
  11. A COP24 em Katowice terminou neste domingo, por volta das 00:30h.
  12. Artigo: Capitalismo climático Para a obtenção do lucro, é fundamental que se limite o aumento de temperatura da Terra
  13. Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas e a Fundação Grupo Boticário lançam Sumário para Tomadores de Decisão sobre biodiversidade e clima na COP24
  14. Relatório Especial “Potência Ambiental da Biodiversidade: um caminho inovador para o Brasil”
  15. 1º Fórum Brasileiro de Transição Energética
  16. Evento de Lançamento do Sumário para Tomadores de Decisão (STD) do PBMC e BPBES – Espaço Brasil na COP-24
  17. “Bolsonaro cree que el cambio climático es una cosa de activistas que gritan”
  18. COP24 "Eles chegaram a Katowice de bicicleta"
  19. Como anda a COP14 da Biodiversidade?
  20. Moving for Climate NOW
  21. 2018 UN Biodiversity Conference
  22. Primeira chuva no Atacama em 500 anos destrói vários micróbios
  23. Novo ministro de Relações Exteriores do Brasil acredita que as mudanças climáticas são “conspiração marxista”
  24. Temperatura do planeta poderá aumentar 3,2 graus Celsius, muito além da meta de 1,5
  25. Biodiversidade é 'galinha de ovos de ouro' desperdiçada no Brasil, mostra relatório
  26. Impacto das mudanças climáticas intensificam incêndios na Califórnia
  27. Biodiversidade não é problema, é solução
  28. BRASIL pode ser líder em desenvolvimento sustentável, dizem cientistas
  29. Amazônia está próxima de atingir percentual irreversível de desmatamento
  30. Aquecimento climático em São Paulo já é o dobro da meta global
  31. Não é só pelo 1,5ºC
  32. Chamada pública "Boas práticas de sustentabilidade A3P"
  33. Ministro divulga nota sobre fusão com o MAPA
  34. Fome: aquecimento aumenta o risco de uma nova grande crise global
  35. Populações de animais caíram 60% em 44 anos, alerta WWF
  36. Anúncio da fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente preocupa a Coalizão Brasil
  37. Remote Hawaiian Island Wiped Off The Map
  38. Dados do Inpe sugerem aceleração da área desmatada na Amazônia
  39. O que precisa ser feito em cada setor para limitar o aquecimento global em 1,5oC?
  40. Cientista alerta que aumentar a área da agropecuária e destruir florestas causará prejuízos à economia
  41. 1,5°C a mais até o fim do século - otimismo possível?
  42. O Brasil e a biodiversidade
  43. Aquecimento global está acima da meta, diz IPCC
  44. Análise: Relatório do IPCC força aquecimento global sobre agenda dos candidatos a presidente
  45. ONU dá último alerta para evitar a catástrofe climática
  46. Educação ambiental abre 16 mil vagas
  47. 37 things you need to know about 1.5C global warming
  48. We have 12 years to limit climate change catastrophe, warns UN
  49. Leaked US critique of climate report sets stage for political showdown in Korea
  50. Aquecimento global pode modificar eixo de rotação da Terra, aponta estudo da Nasa.
  51. Mobilidade elétrica na cidade: Veículos Coletivos e de Carga
  52. Aquecimento eleva risco de desertificação no Nordeste
  53. DERRETIMENTO DO PERMAFROST ESGOTA O ORÇAMENTO DE CARBONO ANTES DO PREVISTO
  54. Ações para reduzir emissões na agricultura ainda não são suficientes Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://www.valor.com.br/agro/5852317/acoes-para-reduzir-emissoes-na-agricultura-ainda-nao-sao-suficientes o
  55. IV ENPJA ocorre em setembro
  56. Abordagens metodológicas para análise de Vulnerabilidades à Mudanças Climáticas
  57. A Cidade Universitária e o Consumo de Energia - Hoje
  58. Marcha pelo clima reúne mais de 30 mil pessoas nos EUA.
  59. Mobilização global ‘Una-se pelo clima’ realiza ações em mais de 90 países
  60. Navio bate em ponte e aeroporto fica isolado na passagem do Tufão Jebi no Japão
  61. NASA Discovers Bubbling Lakes In The Remote Arctic - A Sign Of Global Warming
  62. Elevação das concentrações de carbono na atmosfera ameaça a nutrição humana
  63. O aquecimento global já é realidade. E agora?
  64. Merkel diz ser contra novas metas de redução de emissão de gases na Europa
  65. XIII UFRJ AMBIENTÁVEL - Semana Acadêmica da Engenharia Ambiental
  66. A Professora e cientista Suzana Kahn participou do evento "Foco nos setores de Energia Elétrica e Petróleo e Gás", promovido pela Siemens.
  67. A Cidade Universitária e o Consumo de Energia
  68. Kofi Annan, Who Redefined the U.N., Dies at 80
  69. NASA releases time-lapse of the disappearing Arctic polar ice cap
  70. Árvores revelam evolução da poluição ambiental em São Paulo
  71. Presidente eleito terá de retomar trilha da responsabilidade climática e enfrentar retrocesso
  72. Heat: the next big inequality issue
  73. Mudança climática está matando os cedros do Líbano
  74. Céticos do clima devem pedido de desculpas a quem acreditou neles
  75. Uma fornalha chamada Terra
  76. Coletivo urbano está à beira do colapso
  77. Darwinismo tecnológico
  78. O que é o fenômeno 'Terra estufa' e por que estamos caminhando para ele, segundo novo estudo
  79. Vento pode ser segunda principal fonte de energia elétrica do país em 2019
  80. Mudanças climáticas poderão extinguir 10% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica
  81. O aquecimento global está ganhando
  82. Capitalism Killed Our Climate Momentum, Not “Human Nature”
  83. Eólicas serão 2.ª fonte de energia do País em 2019
  84. Climate Change Needs Behavior Change
  85. Com orçamento ameaçado, Conselho Superior da Capes lista as consequências para 2019
  86. Europa pode não ter saída, a não ser se adaptar ao calor
  87. A partir de 1º de agosto a Humanidade entra em déficit ambiental com o planeta
  88. O que é a canícula e como ela explica a onda de calor extremo em várias partes do mundo
  89. Grupo vai pressionar presidenciáveis por ações contra efeito estufa
  90. Ocean acidification to hit levels not seen in 14 million years
  91. 40 graus na Sibéria e 30 graus na Noruega: onda de calor quase planetária surpreende especialistas
  92. Amazônia em Foco: A Floresta de hoje e do amanha
  93. Lançamento do cenário Shell Sky Alcançando as metas do Acordo de Paris
  94. Impulsionando o potencial do Brasil na transição energética
  95. MCTIC busca profissionais para estudos de Impactos, Vulnerabilidade e Adaptação às Mudanças Climáticas
  96. Renomado congresso brasileiro, IX CBUC tem data confirmada
  97. IPCC informa primeira minuta do Relatório Especial sobre Mudança do Clima e terra
  98. Que Futuro Queremos?
  99. O Espaço da Mobilidade como Projeto
  100. enováveis sobem na matriz global (mas não fazem nem cócegas nos fósseis)

Unicast